10 de Janeiro de 2010 - Baptismo do Senhor

O Filho muito amado

Quando vemos Jesus esperar pela sua vez na fila dos pecadores para depois descer às águas do rio Jordão e ser baptizado por João Baptista, apetece-nos dizer, com muito mais razão ainda: Senhor, obrigado por teres vindo, obrigado por estares connosco!

Os Quatro Evangelhos mostram-nos que Jesus, um dia, se integrou silenciosamente na multidão dos que esperavam o baptismo de João Baptista.

Sem nenhum gesto, sem nenhuma palavra, como acontece muitas vezes na nossa vida; quase não damos por Ele, naquele momento não O reconhecemos... Mas Jesus está ali, e não é apenas um de nós, não é somente um amigo, é o próprio Filho de Deus junto de nós.

Assim aconteceu naquele dia: "quando todo o povo recebeu o baptismo, Jesus também foi baptizado". Parece ser apenas mais um, mas não: Jesus é o Messias, que nos procura, que vem ter connosco, onde quer que estejamos, e vem com a força do seu infinito amor e da sua misericórdia.

O Evangelho diz-nos que, depois de descer às águas, Jesus permanece em oração. Esta é uma preciosa informação de S. Lucas: o ministério de Jesus começa com a oração, e termina com a oração ( 22, 46).


MURILLO,Bartolomé Esteban, Baptismo de Cristo, (c. 1665)

Segundo este evangelista, os principais momentos da vida de Jesus estão envolvidos pela oração. A oração de Jesus é modelo e exemplo para nós, mas, principalmente revela a sua plena união com o Pai, manifesta que Jesus vive, também como homem, uma perfeita sintonia com a vontade do Pai.

E o Pai corresponde a esta perfeita obediência e sintonia filial de Jesus. S. Lucas diz-nos que, "enquanto orava, o Céu abriu-se, e o Espírito Santo desceu sobre Ele em forma corporal, como uma pomba".

"O Céu abriu-se", quer dizer, vai começar a definitiva revelação de Deus aos homens. E o Espírito Santo, que já habitava na humanidade de Jesus, vai impeli-Lo nesta nova etapa da história da salvação, para libertar os que estavam sob o domínio de Satanás e anunciar a boa nova aos pobres.

E até o simbolismo da pomba indica que as esperanças de vida, de amor e de paz que existem no coração de todos os homens vão finalmente cumprir-se em Jesus, que derruba todas as barreiras que nos afastavam de Deus e que, um dia, depois de ressuscitado, enviará o Espírito Santo a todos os que invocam o seu nome.

Depois, o próprio Jesus ouve estas palavras que Lhe são dirigidas a Si, exclusivamente: "«Tu és o meu Filho muito amado: em Ti pus toda a minha complacência»".

No entanto, também para nós é muito importante ouvi-las. Primeiro porque também nós, pelo baptismo, nos tornamos por adopção divina, «filii in Filio», filhos no Filho, e por isso filhos muito amados.

Depois, porque, ao convidar-nos a escutar estas palavras, S. Lucas quer recordar-nos de novo quem é Jesus: Ele é o Filho que quis tornar-Se Servo, como anuncia Isaías, para cumprir em nosso favor, com a sua fragilidade humana e o seu poder divino, o plano do Pai.

Jesus não é um simples homem nem um profeta excepcional, é o "Filho muito amado", que aceita dar a vida por todos, para lhes revelar o amor do Pai.

E o Evangelho, lido e meditado na Igreja, convida-nos a fazer esta profissão de fé, que nos enche de alegria: Senhor Jesus, Tu és o Filho muito amado, em quem o Pai pôs toda a sua complacência. Louvor a Ti, Jesus. Faz-nos conhecer-Te e amar-Te cada vez mais. Dá-nos o teu Espírito, para vivermos também como filhos, no amor do Pai.

Por isso, queria deixar-vos uma sugestão: fazer todos os dias uma leitura contínua do Evangelho, começando por S. Mateus e acabando em S. João, e depois recomeçando, ou então passando aos outros livros do Novo Testamento.

Ao ler o Evangelho, confirmaremos a verdade daquele anúncio de Isaías: "Eis o meu servo... Sobre ele fiz repousar o meu espírito, para que leve a justiça às nações". Ou do que dizia S. Pedro, nos Actos dos Apóstolos: "Deus ungiu com a força do Espírito Santo a Jesus de Nazaré, que passou fazendo o bem e curando todos os que eram oprimidos pelo demónio".

Peçamos a Nossa Senhora que o nosso conhecimento mais íntimo de Jesus na Palavra e na Eucaristia nos torne construtores de um mundo melhor e mais belo, mediante a graça de Jesus Cristo. Que a nossa vida não seja obscura mas luminosa, e com a nossa ajuda muitos conheçam Jesus Cristo, e aceitem viver. pela graça do Baptismo, como filhos muito amados do Pai.

Com a sincera amizade em Cristo
do Prior de Santa Maria de Belém
Cón. José Manuel dos Santos Ferreira

 

Arquivo