30 de Maio de 2010 - Domingo da Santíssima Trindade

Caminhar na verdade

Durante a Última Ceia, o próprio Jesus disse de Si mesmo aos seus discípulos: "Eu sou (...) a verdade (...)" (João 14, 6). E hoje, no Evangelho, ouvimos que, pouco depois, Jesus lhes disse ainda: "«Quando vier o Espírito da verdade, Ele vos guiará para a verdade plena»".

Vamos pensar um instante nestas palavras. Em grego, «guiar» diz-se hodègein, que vem de hodos, que significa «caminho». Guiar é conduzir pelo caminho. Mas Jesus tinha dito antes que Ele é próprio é o caminho: "Eu sou o caminho..." (João 14, 6).

Então, se Jesus é o caminho, o Espírito Santo é o «encaminhamento»! É Ele que nos faz caminhar, não tanto «para a verdade», mas «na verdade», na «verdade plena», que é o próprio Jesus Cristo.

A verdade não é alguma coisa que está longe de nós, como um objectivo a atingir, ou uma meta aonde temos de chegar. Se estamos em Jesus, já estamos na verdade; se vivemos em Jesus, já vivemos na verdade, embora, por enquanto, ainda só parcialmente, ainda não plenamente. Mas é o Espírito Santo que nos conduz nesta compreensão cada vez mais perfeita das palavras de Jesus, neste conhecimento cada vez mais intenso da verdade de Jesus, nesta vivência cada vez mais plena da própria vida de Jesus.


A Mãe de Deus Hodighitria (ícone russo) (1582)

Conduzida pelo Espírito Santo, toda a Igreja cresce, ao longo dos séculos, nesta plena inteligência do mistério de Cristo, até ao fim dos tempos.

E todos nós pedimos ao Espírito da verdade que nos guie neste conhecimento cada vez mais perfeito da verdade de Jesus, ou melhor, da verdade que é Jesus, para que nós próprios vivamos a sua vida, com uma alegria, um amor e uma fidelidade cada vez maiores, até ao último instante da nossa vida neste mundo.

Nestas palavras que disse aos discípulos na Última Ceia, Jesus desvendou-nos alguns segredos da própria vida de Deus. Disse-nos que o Espírito Santo ""não falará de Si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido»". Julgo que estas palavras nos ensinam, antes de mais, que, no mistério da Santíssima Trindade, o Espírito Santo ouve eternamente o Filho, que é o Verbo de Deus, a Palavra do Pai.

E, quando o Filho de Deus vem ao mundo e Se faz homem, o Espírito Santo guarda todas as suas palavras, e hoje diz de novo à Igreja as palavras pronunciadas um dia por Jesus. Não é que Jesus não continue a falar: Sim, Jesus ressuscitado continua a falar aos discípulos, mas agora fala-nos de uma maneira nova e interior, através do Espírito Santo.

Só na palavra de Jesus, que é anunciada na Igreja e nos toca intimamente no Espírito Santo, é que conhecemos a verdade da nossa vida e a conseguimos construir, purificar, aperfeiçoar e santificar segundo o projecto de Deus Pai.

A 1ª leitura dizia-nos que o mundo inteiro teve na Sabedoria divina personificada, isto é, no Filho de Deus, que um dia Se fez homem e nasceu da Virgem Maria, o seu "Arquitecto", sempre presente ao lado de Deus, que Lhe fornece o projecto da maravilhosa obra da criação do Universo. O Filho de Deus é o "Arquitecto" do mundo! E sente-se muito bem neste mundo, em especial sente-se bem na nossa companhia!

É também por Ele, com Ele e n'Ele que todos queremos construir a nossa vida: as crianças, os jovens, os adultos, as pessoas casadas e as solteiras ou viúvas, os sacerdotes, as pessoas consagradas e os que se dedicaram a Deus no meio do mundo. Há muitos projectos particulares, mas o grande Projecto que todos queremos conhecer e realizar é o Projecto do Pai, que o Filho de Deus, Jesus Cristo, nos revelou e constantemente actualiza nos nossos corações pelo Espírito Santo.

Neste final de Maio, vamos pedi-lo por intercessão da Virgem Santa Maria, que, nos ícones gregos e orientais aparece frequentemente representada como a Hodighitria, isto é, aquela que mostra o caminho.

Nestes ícones, a Theotokos, isto é, a Santa Mãe de Deus feito homem, olha para nós numa atitude cheia de majestade, e com a sua mão direita mostra o Menino, que leva sobre o braço esquerdo. A veste do Menino, dourada ou com tons de ouro, recorda-nos a sua divindade. Jesus, com uma expressão quase de adulto, tem na mão esquerda o rolo das Escrituras e abençoa com a mão direita. Aparece como o Emanuel, consciente da sua missão salvadora, numa atitude cheia de grandeza e dignidade.

Maria mostra-nos o caminho, e o Espírito Santo conduz-nos e impele-nos por esse caminho. Se seguirmos sempre por ele, sem nunca nos desviarmos- ou sabendo voltar sempre de novo, se algum dia nos perdemos ou nos enganamos - a nossa vida será, já neste mundo, realizada e feliz.

Já hoje daremos glória à Santíssima Trindade, na esperança, (que "não engana", como dizia S. Paulo), de um dia podermos adorar, louvar e glorificar, com os anjos e os santos, por toda a eternidade, as Três Pessoas divinas, a sua essência única e a sua igual majestade.

Com a sincera amizade em Cristo
do Prior de Santa Maria de Belém
Cón. José Manuel dos Santos Ferreira

 

Arquivo