8 de Abril de 2012 - Domingo de Páscoa da Ressurreição do Senhor

À Vítima pascal

"À Vítima pascal ofereçam os cristãos sacrifícios de louvor.

Victimae paschali laudes immolent Christiani." .

É o convite da Sequência Pascal, cantada neste domingo, que é um texto de grande beleza poética, um texto magnífico, um hino triunfal. O manuscrito mais antigo em que existe é do séc. XI, do Mosteiro de Nossa Senhora de Einsiedeln, na Suíça.

"Agnus redemit oves: Christus innocens Patri reconciliavit peccatores.


Julius Schnorr von Carolsfeld (1794-1872), Maria Madalena vê o túmulo vazio

O Cordeiro resgatou as ovelhas: Cristo, o Inocente, reconciliou com o Pai os pecadores" .

Aqui viemos pois, neste Domingo de Páscoa, oferecer à Vítima pascal, os nossos louvores, a nossa infinita gratidão à Vítima Pascal, Àquele que se ofereceu por nós como se fosse o cordeiro pascal.

Mas, em Domingo de Páscoa, somos também convidados a viver a mesma inquietação, a mesma busca, não desesperada, mas cheia de esperança, não simplesmente humana, mas divina, que o Evangelho nos leva a reconhecerem Maria Madalena.

Ela foi "de manhãzinha, ainda escuro, ao sepulcro, e viu a pedra retirada do sepulcro". A Sequência Pascal convida-nos a interrogar Maria sobre o sentido do seu gesto:

Dic nobis Maria,
quid vidisti in via?
Diz-nos, Maria,
Que viste no caminho?
E ela responde:
Sepulcrum Christi viventis,
et gloriam vidi resurgentis:

Angelicos testes, sudaríum, et vestes.
Vi o sepulcro de Cristo vivo, e a glória do ressuscitado.
Vi o testemunho dos Anjos, vi o sudário e a mortalha.
Surrexit Christus spes mea: praecedet suos in Galilaeam.
Ressuscitou Cristo, minha esperança
Precederá os seus discípulos na Galileia.

Jesus precede-nos, está à nossa espera! A Páscoa é um convite a procurar Jesus onde Ele está à nossa espera: Jesus está vivo, na sua Igreja, e podemos encontra-Lo na oração e no Pão santíssimo da Eucaristia. Mas também está na vida de todos os dias, mesmo quando há dificuldades ou grandes preocupações.

A Páscoa é um hino à vida, não inspirado por um entusiasmo passageiro, mas pela firmeza da fé na ressurreição de Cristo, que os Apóstolos nos testemunham, e que o Espírito Santo gravou nos nossos corações.

Cantámos também na Sequência Pascal:

Mors et vita duello conflixere mirando:

dux vitae mortuus, regnat vivus

A morte e a vida travaram um combate admirável:

Depois de morto, Vive e reina o autor da Vida.

Hoje, Domingo de Páscoa, pedimos também para nós, para todos os cristãos e para todos os homens, a ânsia e a pressa de S. Pedro e do outro discípulo, que os levou ao túmulo de Jesus, o qual estava aberto e vazio, como testemunho silencioso de uma grande vitória, e que os conduziu à fé, mesmo ainda antes de verem com os seus olhos Jesus ressuscitado.

É preciso vencer a rotina, superar os limites de uma vida cristã simplesmente correcta ou tradicional, para viver um amor profundo, um desejo forte e vibrante de ver Jesus.

Que a Virgem Maria nos obtenha este desejo, e a graça de o realizarmos nesta vida, e um dia, plenamente, no Céu.

A todos os paroquianos, apresenta os mais sinceros votos de Páscoa Feliz
o Prior de Santa Maria de Belém
Cón. José Manuel dos Santos Ferreira

Arquivo