27 de Janeiro de 2013 - Domingo III do Tempo Comum

Uma certeza firme

1. A 1ª leitura da Missa de hoje transmite­nos a emoção do antigo Povo de Deus depois de ter reencontrado o Livro da Lei. Este episódio passa-se após a reconstrução de Jerusalém, depois do exílio em Babilónia, no séc. V a. C. Inicialmente, há uma grande tristeza, porque todos perceberam que tinham andado muito longe de Deus, muito longe dos caminhos da sua lei, e por isso tinham certamente cometido muitos erros, muitos pecados. A consciência desses erros enche-os de tristeza, fá-los chorar, com sincero arrependimento. Mas depois o sacerdote Esdras dirige a todos um forte convite à alegria: "Hoje é um dia consagrado ao Senhor, vosso Deus. Não vos entristeçais nem choreis". E mais adiante: "Não vos entristeçais, porque a alegria do Senhor é a vossa fortaleza". Agora que já conheciam de novo a Palavra de Deus, era como se voltassem a nascer, podiam começar uma vida nova.


Jesus na sinagoga de Nazaré

E também nós percebemos que é bom sentir pena e dor pelos nossos pecados, é bom e necessário confessá-los sinceramente, mas depois, com grande esperança, é preciso começar de novo. Para quem se deixa corrigir e iluminar pela Palavra de Deus, a tristeza e o desânimo dão lugar à alegria, porque Deus está connosco, Ele próprio é a nossa fortaleza! Quando saímos da Missa ou acabamos a nossa Confissão, saímos com esperança e alegria: vai começar um tempo novo!

2. E qual teria sido a emoçâo de Teófilo, ao ler pela primeira vez o Evangelho que S. Lucas escreveu, e lhe enviou? Teófilo já era cristão, já tinha sido instruído na fé. Mas agora podia ler o relato da vida, dos ensinamentos e dos milagres de Jesus, numa narração cuidada e ordenada, em que S. Lucas, inspirado pelo Espírito Santo, recolheu numerosos testemunhos que ouviu, e integrou muitos outros textos dispersos ou relatos breves que já existiam. E assim nasceu este Evangelho, que S. Lucas dedica a Teófilo, (nome que significa: «aquele que ama a Deus»), a quem o envia com muita amizade, e a quem explica por que o faz: "para que tenhas conhecimento seguro do que te foi ensinado".

Também nós precisamos de ter este "conhecimento seguro" do anúncio de Jesus que nos foi transmitido. A nossa fé não é uma impressão vaga, um palpite, uma intuição: é uma certeza firme!

É necessário que aprofundemos cada vez mais este "conhecimento seguro" do mistério de Cristo, pela leitura diária do Santo Evangelho e pelo estudo e meditação da doutrina da fé. Convido de novo cada um de vós a ler diariamente o Evangelho: pode ser uma leitura seguida de cada um dos quatro Evangelhos, ou a leitura do Evangelho do dia, ou ambas as coisas: serão apenas uns breves minutos, mas que aumentarão na mente e no coração de cada um o fascínio por Jesus, e o desejo de O seguir e de O amar cada vez mais.

Esta certeza firme que teremos em nós, apesar das nossas fraquezas, será também um reflexo da absoluta segurança que tinha Jesus Cristo, no cumprimento da sua missão, como a segunda parte do Evangelho de hoje nos transmite. Vamos situar no tempo este episódio. Depois do milagre de Caná, Jesus foi para Cafarnaum, com sua Mãe, os cinco discípulos e outros familiares que também tinham estado na festa do casamento (Jo 2, 12). Nossa Senhora e estes familiares devem ter seguido para Nazaré, mas Jesus ficou em Cafarnaum, na casa de Simão Pedro. Foi aqui que Jesus, caminhando tranquilamente à beira-mar, chamou definitivamente Pedro e André, Tiago e João (Mc 1, 16-20), que entretanto tinham voltado à sua anterior profissão, mas que logo a seguir deixariam, para seguir Jesus.

3. Um dia, depois de ter já ter feito diversos milagres em Cafarnaum (Mc 1, 21-34), Jesus voltou a Nazaré, "onde se tinha criado", como diz S. Lucas. E aqui, "segundo o seu costume, entrou na sinagoga a um sábado, e levantou-Se para fazer a leitura". Acabada a leitura, e para grande admiração dos que O ouviam, e que já O conheciam desde criança, Jesus diz: "«Cumpriu-se hoje mesmo esta passagem da Escritura que acabais de ouvir»". Este comentário equivale a dizer: 'Eu sou Aquele de quem fala a Escritura Sagrada, Aquele que foi ungido para "anunciar a boa nova aos pobres". Esse que foi enviado "a proclamar a redenção aos cativos e a vista aos cegos, a restituir a liberdade aos oprimidos e o ano da graça do Senhor", Esse, sobre quem repousa o Espírito de Deus, sou Eu mesmo. A Palavra de Deus cumpre-se em Mim. Em Mim, acontece finalmente a salvação prometida'. São palavras de uma enorme ousadia: como é que Jesus fala com tanta certeza? Acreditamos que Jesus era o Filho de Deus, mas, como homem, sabia quem era? Jesus conhecia claramente qual era a sua missão?

Sim, Jesus não andou à procura da verdade: sempre conheceu a verdade, que Ele próprio tinha a missão de revelar. Como escreveu um grande santo do séc. VII, S. Máximo Confessor, "a natureza humana do Filho de Deus não por si mesma, mas pela sua união ao Verbo, conhecia e manifestava em si tudo o que é próprio de Deus (São Máximo Confessor, Quaestiones et áubia, citado pelo Catecismo da Igreja Católica, n. 473).

Em primeiro lugar, Jesus, Filho de Deus feito homem, tinha um conhecimento íntimo e imediato de seu Pai. Podermos dizer que Jesus, no mais íntimo da sua alma, via o Pai, incessantemente, constantemente, o que era para Ele fonte de uma imensa alegria e felicidade. Por outro lado, na sua inteligência humana manifestava-se o conhecimento divino que tinha dos pensamentos secretos do coração do homem (Mc 2, 8; Jo 2. 25; 6. 61) (cf. Catecismo da Igreja Católica, n. 473).

Mas, além disso, na mente humana de Jesus, pela sua união com o Verbo, existia também o perfeito conhecimento do plano salvador de Deus, que Ele tinha vindo revelar (ct. Catecismo da Igreja Católica, n. 474). Jesus sabia, pois, quem era, e qual a sua missão.

4. Por isso, na sinagoga de Nazaré, pôde dizer com toda a verdade: "Cumpriu-se hoje mesmo esta passagem da Escritura que acabais de ouvir.

Jesus, Filho de Deus feito homem. cumpre o plano de Deus. e realiza plenamente as esperanças dos homens. Jesus responde às grandes questões que há na mente e no coração de todos: Que sentido tem a vida? Porquê a morte? Como podemos ser melhores?

Jesus é decisivo para a vida humana. e nós temos experiência disso. N'Ele somos conhecidos, amados, purificados, libertados, salvos. D'Ele nos vem a graça para viver de um modo novo.

Peçamos à Mãe de Jesus, a Virgem Santa Maria, que interceda pela unidade de todos os que crêem no seu Filho, e também pelo aprofundamento da fé de todos, para que seja viva, irradiante, interpelativa, e muitos outros a recebam, para que também hoje mesmo conheçam, amem e sigam Jesus Cristo.

Com a amizade em Cristo do
Cón. José Manuel dos Santos Ferreira
Pároco de Santa Maria de Belém

Blog  Ad te levavi
Arquivo