5 de Outubro de 2014 - XXVII Domingo do Tempo Comum

Podemos trabalhar à vontade

1. A parábola dos vinhateiros homicidas tem um significado muito claro, e os escribas e fariseus, aos quais Jesus Se dirigia, compreenderam-no muito bem, como se lê no último versículo deste texto, (omitido na leitura litúrgica): "Ouvindo isto, os príncipes dos sacerdotes e os fariseus compreenderam que era deles que Jesus falava. E procuravam prendê-lo; mas temeram o povo, que o tinha por um profeta" (Mateus 21, 45-46).

Interpretando os diversos elementos da parábola, toma-se claro que proprietário é Deus; a vinha, o povo judeu; os vinhateiros são os sacerdotes, os escribas e os fariseus; os servos, enviados diversas vezes pelo proprietário, são os profetas, maltratados, feridos e até mortos; o filho do proprietário é Jesus, que eles bem depressa levariam à morte: na verdade, poucos dias depois de ter contado esta parábola, Jesus foi crucificado e morreu na cruz.


Jeronimo Nadal (Ed.), A parábola dos agricultores infiéis (1593) (porm.)

Jesus prevê o tremendo castigo que, por este motivo, estava para desabar sobre a nação judaica: "Ser­vos-á tirado o reino de Deus e dado a um povo que produza os seus frutos". Reprovado Israel, o reino de Deus passaria aos gentios. E assim se constituiu a Igreja de Cristo, cujos membros provêm na sua maioria dos povos gentios, chamados à fé e ao baptismo.

2. Hoje somos nós os vinhateiros da vinha do Senhor, a sua Igreja. Cuidamos dela com amor? Entregamos os frutos ao Proprietário, ou descuramos o trabalho que nos compete, não podando as vides, ou deixando que as pragas afectem as videiras, ou não fazendo a vindima no tempo certo? Damos todo o fruto que poderíamos dar, ou ficamos muito aquém do que Deus teria o direito de esperar de nós?

Somos uma Igreja fechada em si mesma, temos espírito de capelinha, ou procuramos crescer, chegar a todos, sem elitismos, com um coração grande, para que todos se sintam chamados a entrar e a saborear a bondade de Deus, a sua justiça, a sua misericórdia?

Como uma vinha, ou qualquer trabalho agrícola, ou qualquer outro trabalho humano, a Igreja de Deus requer o esforço intenso e o empenho de todos. Na Igreja, não somos «utentes», nem «clientes», somos fiéis, somos filhos de um mesmo Pai, que é Deus, somos irmãos e membros de uma família sobrenatural.

A todos os paroquianos de Santa Maria de Belém e a todos os que aqui participam na Santa Missa ou nos outros sacramentos, convido a sentirem-se vinhateiros da vinha do Senhor. Temos de produzir muitos frutos! Para isso, deixo hoje dois convites, ou melhor, um convite e um pedido.

Primeiro, o convite. Se tem desejo de conhecer melhor a fé cristã, e gostaria de conhecer os seus pilares doutrinais, ou até mesmo se já é um Cristão e precisa de voltar a aprofundar algumas verdades da fé, se é Pai ou Mãe de alguma criança, e gostaria de começar esta formação, arrisque, e inscreva-se na Catequese de Adultos, que vai começar no dia 15 deste mês (e não no dia 8, como inicialmente anunciado).

Além disso, se não está Crismado, então ainda não completou o itinerário da Iniciação Cristã, pelo que deverá fazê-lo de forma diligente e empenhada. Há, contudo, também um aspecto prático: segundo as normas, só pode ser admitido como Padrinho ou Madrinha de Baptismo quem for crismado, (além de outras condições requeridas). Logo, talvez seja a oportunidade que todos esperavam para conhecer mais a Jesus Cristo, na sua Igreja.

3. Agora o pedido. O espaço onde se realizam a grande maioria das reuniões e encontros de formação da nossa paróquia - a catequese, os ensaios dos coros, o convfvio de Idosos, as conferênctas e palestras, etc., - é o Secretariado Paroquial, sito na Rua dos Jer6nlmos, n. 3.

Periodicamente são necessárias obras de conservação, como as que estão a ser feitas ou irão ser feitas brevemente, em especial no Salão Paroquial (Salão Cardeal D. António Ribeiro), em alguns gabinetes, nas portas de entrada, que estavam multo danificadas (e é prectso conservar...), e nas próprias capelas mortuárias. Estas obras orçam em cerca de 5000 euros.

Peço um reforço dos vossos donativos nos ofertórios das Missas deste domingo, e também do próximo, que se destinarão especialmente a este fim.

Também precisamos de adquirir uma nova impressora, em especial para a Folha Paroquial, folhas de cânticos, etc. Em breve haverá um ofertório especial para este fim. Conto com o empenho de todos.

A Igreja é a vinha do Senhor. Para dar frutos - que temos o dever estrito de dar, com a maior qualidade possível - temos de nos esforçar dedicadamente e sempre com alegria. O Senhor da vinha dá-nos margem de manobra, dá-nos espaço de liberdade. Podemos trabalhar à vontade!

Reparando as nossas ingratidões e indiferenças, correspondamos com generosidade, para que que a nossa vida não seja estéril, mas fecunda, e dê muitos frutos, que queremos colher e oferecer, para glória de Deus.

Com a amizade em Cristo do
Prior de Santa Maria de Belém
Cón. José Manuel dos Santos Ferreira

Blog  Ad te levavi
Arquivo