3 de Abril de 2016 - Domingo de II da Páscoa ou da Divina Misericórdia

1. Estamos no 2º Domingo da Páscoa. Como sempre, na 1ª leitura da Missa durante o Tempo Pascal, abrimos os Actos dos Apóstolos e lançamos um olhar fascinado para a vida da primitiva Igreja. É um tempo de milagres, de intensa caridade e também de grande expansão. E hoje, continua a ser assim? Vivemos o mesmo entusiasmo dos primeiros cristãos? E será que no futuro o número de cristãos continuará a aumentar?

Assim tem acontecido, graças a Deus. De facto, há cerca de um ano, o Vaticano apresentou a mais recente edição do Anuário Estatístico da Igreja, o qual revela que entre 2000 e 2013 o número de católicos passou de 1045 milhões para 1254 milhões, um aumento de 20%. O maior crescimento aconteceu em África, com um aumento de 34%. A Europa, Infelizmente, confirma a tendência de ser a área com menor dinâmica de crescimento, com mais 6,5 milhões de baptlzados desde 2005, num total de 287 milhões de católicos (um crescimento de 2,3%).


Não devemos deixar de reflectir serenamente sobre este assunto à luz da Palavra de Deus que hoje ouvimos. A 1ª leitura dizia-nos que "cada vez mais gente aderia ao Senhor. pela fé". Quando lemos os Actos dos Apóstolos. vemos que S. Lucas se refere muitas vezes a este crescimento constante e progressivo da Igreja: é como se ele estivesse já a ver o cumprimento das parábolas do grão de mostarda e do fermento, que Jesus contou. Mas foi mesmo assim que aconteceu: logo naqueles primeiros tempos depois da ressurreição e ascensão de Jesus, houve muitas conversões. Só no Dia de Pentecostes, depois de ouvirem Pedro, pediram o baptismo cerca de três mil pessoas (Actos 2, 41).

2. No entanto, no passo que hoje ouvimos, S. Lucas dizia também que havia ainda pessoas hesitantes, receosas: os discípulos estavam "unidos pelos mesmos sentimentos", isso notava-se externamente, "0 povo enaltecia-os", mas "nenhum dos outros se atrevia a juntar-se a eles".

Quem são estes "outros"? A quem se refere S. Lucas? Deviam ser alguns que estavam ainda dominados pelo temor dos chefes do povo, que tinham condenado Jesus à morte. Tinham medo de ser perseguidos. e por isso não davam o passo final da conversão a Jesus Cristo, não aceitavam o dom da fé, não aderiam à Igreja.

No entanto, noutros casos, o que falta a muitas pessoas é a coragem de mudar de vida, ou antes, o que lhes falta é a coragem de passar a viver de um modo novo, como é próprio dos que acreditam em Jesus ressuscitado. Há pessoas que gostariam de viver segundo o Evangelho, mas pensam que não são capazes. Gostariam de ser mais generosos, mas sentem que continuam a ser egoístas. Desejariam vencer este ou aquele defeito, mas continuam a fracassar. Desejariam ser melhores, na vida de família, no trabalho, na amizade, na caridade, no desprendimento e em tantas outras virtudes, mas muitas vezes reconhecem que falham. E então desistem. Deixam-se levar por uma certa resignação, convencem-se ce que não há nada a fazer, perdem a esperança, e com a perda da esperança, quase perdem a fé, ou chegam mesmo a deixar morrer a fé nos seus corações.

3. Como vencer este desânimo, como superar esta dificuldade, que leva tantas pessoas, na prática, a viver uma vida cristã frouxa e hesitante? Só há uma maneira: é aceitar aquele convite que o próprio Jesus ressuscitado fez a Tomé, quando apareceu de novo aos seus discípulos, "oito dias depois" do seu primeiro encontro com eles, no Domingo de Páscoa. Jesus disse a Tomé: "«Não sejas incrédulo, mas crente»". Estas palavras de Jesus, que hoje ouvimos no Santo Evangelho, não são uma repreensão a Tomé, não são uma censura, mas sim uma exortação premente à fé, e dirigem-se também a cada um de nós. «Não sejas incrédulo, mas crente»", diz-nos também hoje Jesus.

É um convite à fé, é um desafio, sim, mas devemos reconhecer que, antes de o ser, é um dom. Jesus ressuscitado dá-nos a graça da fé, pela qual, apoiando-nos no testemunho daqueles que O viram, acreditamos pessoalmente em Jesus, mesmo sem O ter visto. Como é evidente, ninguém acredita com a fé dos outros, mas, apoiando-nos na experiência e no testemunho dos outros, em particular dos Apóstolos, que viram Jesus, cada um de nós pode dizer, com toda a verdade, diante de Jesus, como S. Tomé: "«Meu Senhor e meu Deus»".

E, quando o fazemos, somos felizes. O próprio Jesus quis deixar-nos esta certeza e esta firme consolação: "«Felizes os que acreditam sem terem visto»". Estas foram as últimas palavras ditas por Jesus no Cenáculo, no termo das suas aparições em Jerusalém. S. João diz expressamente que o seu Evangelho foi escrito para acreditarmos "que Jesus é o Messias, o Filho de Deus", e para que, acreditando, tenhamos a vida "em seu nome". Na verdade, é uma enorme graça ter fé. É ela que nos permite conhecer Jesus Cristo, e nos abre ao perdão dos pecados e à efusão do Espírito Santo.

4. Pela fé, vencemos o medo, o desânimo e as tentações contra a esperança. A 2ª leitura levava-nos a escutar estas palavras reconfortantes de Jesus, ouvidas um dia pelo autor do Apocalipse: "«Não temas»". Estas palavras convidam-nos a dirigir o olhar para Jesus Cristo, para experimentarmos a sua presença, que nos enche de paz, em todas as circunstâncias. Mesmo nos momentos mais difíceis, Jesus diz-nos: "«Não temas!."E acrescenta: "«Eu sou o Primeiro e o Último, o que vive. Estive morto, mas eis-me vivo pelos séculos dos séculos»" Se Deus te chama a uma vida vivida na verdade e na caridade: "«Não temas!»" Se te chama a uma vida de consagração ao seu serviço: "«Não temas!»" Se te envia a falar de Jesus aos outros: "«Não temas!»" Se, por causa disso, te criticam ou até te perseguem: "«Não temas!»". Ele é o Primeiro, ou seja, a fonte do ser, e o Último, isto é, o fim da história. D'Ele parte e para Ele converge toda a vida humana. É a fonte inesgotável da vida, que venceu a morte para sempre.

Quando Jesus apareceu aos discípulos, na tarde do Domingo de Páscoa, "mostrou-lhes as mãos e o lado": as mãos com que foi preso ao madeiro, e o lado, ou o peito, trespassado pela lança do soldado. Do peito trespassado de Jesus sai uma vaga de misericórdia para toda a humanidade. Neste 2º Domingo da Páscoa, que é o Domingo da Divina Misericórdia, confiamos a Jesus o mundo inteiro e todos os homens da Terra, para que se acenda no coração de todos a luz da fé em Jesus Cristo ressuscitado, e com ela a esperança e a caridade, que nos tornam felizes, já hoje, e um dia plenamente, por toda a eternidade.

Com a amizade em Cristo do
Prior de Santa Maria de Belém
Cón. José Manuel dos Santos Ferreira

Blog  Ad te levavi
Arquivo