29 de Maio de 2016 - Domingo IX do Tempo Comum

Contemplar o mistério

1. Que significa receber a Comunhão ou a Eucaristia? Quem pode comungar? Receber a Comunhão ou a Eucaristia, é receber o próprio Cristo, o Filho de Deus vivo, que está sob as espécies sacramentais.

No Santíssimo Sacramento da Eucaristia estão "contidos verdadeira, real e substancialmente o Corpo e o sangue juntamente com a alma e a divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo, e, por conseguinte, Cristo inteiro".

Esta presença denomina-se "real", não a título exclusivo, como se as outras presenças não fossem "reais", mas por excelência, porque é substancial, e por ela Cristo, Deus e homem, toma-se totalmente presente na nossa alma quando comungamos.


Por isso, para receber Cristo na Comunhão eucarística é necessário ser baptizado e estar em estado de graça. Se se tem consciência de ter pecado mortalmente, quer dizer, de ter ofendido a Deus em matéria grave, com plena advertência, não deve aproximar-se da Eucaristia sem pedir perdão e ter recebido previamente a absolvição no sacramento da Penitência.

Contemplar o mistério

"Vamos receber o Senhor. Quando na Terra se recebem pessoas muito importantes, há luzes, música, trajes de gala. Para albergar Cristo na nossa alma, como devemos preparar-nos? Já teremos por acaso pensado como nos comportaríamos se só se pudesse comungar uma vez na vida? Quando eu era criança, não estava ainda divulgada a prática da comunhão frequente. Recordo-me de como se preparavam as pessoas para comungar. Cuidavam com esmero a boa preparação da alma e até do corpo. Punham a melhor roupa, a cabeça bem penteada, o corpo fisicamente limpo e talvez mesmo um pouco de perfume... Eram delicadezas próprias de quem estava apaixonado, de almas finas e rectas, que sabem pagar o Amor com amor" (S. Josemaría, Cristo que passa, n. 91)

Jesus ficou na Eucaristia por amor..., por ti. Ficou, sabendo como o receberiam os homens... e como o recebes tu. Ficou, para que o comas, para que o visites e lhe contes as tuas coisas e, falando Intimamente com Ele na oração Junto do Sacrário e na recepção do Sacramento, te apaixones cada dia mais e faças com que outras almas -muitas!- sigam o mesmo caminho" (Forja, n. 887).

2. Por que é importante receber a Comunhão? O Senhor dirige-nos um convite urgente a recebê-lO no sacramento da Eucaristia: "Em verdade, em verdade vos digo: se não comerdes a carne do Filho do homem, e não beberdes o Seu sangue, não tereis a vida em vós" (Jo 6,53).

A comunhão acrescenta a nossa união com Cristo. Receber a Eucaristia na comunhão tem como fruto principal a união íntima com Cristo Jesus. O que o alimento material produz na nossa vida corporal, a comunhão realiza de maneira admirável na nossa vida espiritual. A comunhão com a Carne de Cristo ressuscitado, conserva, acrescenta e renova a vida da graça recebida no Baptismo. Este crescimento da vida cristã necessita ser alimentado pela comunhão eucarística, pão da nossa peregrinação, até ao momento da morte, quando nos for dado como viático.

Além disso, a comunhão separa-nos do pecado. O Corpo de Cristo que recebemos na comunhão é "entregue por nós" e o Sangue que bebemos é "derramado por muitos para o perdão dos pecados". Assim como o alimento corporal serve para restaurar a perca de torças, a Eucaristia fortalece a caridade que, na vida quotidiana, tende a debilitar-se; e esta caridade vivificada apaga os pecados veniais. Dando-se a nós, Cristo reaviva o nosso amor e toma-nos capazes de romper os laços desordenados com as criaturas e de nos enraizarmos n'Ele.

Pela mesma caridade que acende em nós, a Eucaristia preserva-nos de futuros pecados mortais. Quanto mais participarmos na vida de Cristo e mais progredirmos na Sua amizade, tanto mais difícil será para nós separar-nos d'Ele pelo pecado mortal. A Eucaristia não está ordenada ao perdão dos pecados mortais. Isso é próprio do sacramento da Reconciliação. O que é próprio da Eucaristia é ser o sacramento dos que estão em plena comunhão com a Igreja, quer dizer dos que estão em graça de Deus. (Catecismo da Igreja Católica, 1391-1395)

3. Como preparar-nos para receber a Comunhão? Para responder a este convite, devemos preparar-nos para este momento tão grande e santo. São Paulo exorta a um exame de consciência: «Quem comer o pão ou beber do cálice do Senhor indignamente será réu do corpo e do sangue do Senhor. Examine-se, pois. cada qual a si mesmo e então coma desse pão e beba deste cálice; pois quem come e bebe, sem discernir o corpo do Senhor, come e bebe a própria condenação» (1 Cor 11, 27-29). Aquele que tiver consciência dum pecado grave deve receber o sacramento da Reconciliação antes de se aproximar da Comunhão.

Perante a grandeza deste sacramento, o fiel só pode retomar humildemente e com ardente fé a palavra do centurião: «Domine, non sum dignus, ut intres sub tectum meum, sed tantum dic verbum, et sanabitur anima mea - Senhor, eu não sou digno de que entreis em minha morada, mas dizei uma [só] palavra e serei salvo» Para se prepararem convenientemente para receber este sacramento, os fiéis devem observar o jejum prescrito na sua Igreja. A atitude corporal (gestos, traje) deve traduzir o respeito, a solenidade, a alegria deste momento em que Cristo Se torna nosso hóspede (Catecismo da Igreja Católica, 1384-1389)

Com a amizade em Cristo do
Prior de Santa Maria de Belém
Cón. José Manuel dos Santos Ferreira

Blog  Ad te levavi
Arquivo