23 de Abril de 2017 - Domingo II da Páscoa ou da Divina Misericórdia

Com os olhos fixos em Jesus

1. "Os discípulos ficaram cheios de alegria ao verem o Senhor", diz-nos S. João, no Evangelho de hoje.

Tinham visto Jesus partir, nessa partida definitiva a que chamamos morte, não esperavam vê-lo voltar, nunca mais, mas, contra todas as suas expectativas, "na tarde daquele dia, o primeiro da semana, (...) veio Jesus, colocou-Se no meio deles e disse-lhes: «A paz esteja convosco»" .


CIMA da Conegliano,  Jesus ressuscitado e S. Tomé (com S. Gregório Magno) (c. 1505)

Que alegria imensa foi para os discípulos, e antes ainda para Nossa Senhora, poder ver Jesus ressuscitado!

É esta também a nossa esperança, é este o sentido da nossa vida: poder um dia, para além das fronteiras desta vida terrena, para além da misteriosa e dolorosa fronteira da morte, poder ver Jesus ressuscitado, e por Ele o Pai, na comunhão do Espírito Santo. Que imensa e plena alegria têm já hoje Nossa Senhora, os Apóstolos e todos os santos do Céu, na visão face a face de Jesus na sua glória, do próprio Deus uno e trino!

2. Mas há ainda outras mensagens da Palavra de Deus que hoje lemos, que nos podem tocar especialmente. A primeira é a afirmação, feita por S. Pedro, na 2a leitura, de que a fé em Jesus Cristo é para nós "fonte de uma alegria inefável e gloriosa". Assim é, na verdade, mesmo nas horas de dor, mesmo nos momentos de grande provação, e S. Pedro, dirigindo-se a todos os fiéis, salienta o motivo principal: "porque conseguis o fim da vossa fé: a salvação das vossas almas".

Conhecer Jesus a amá-Lo, acreditar em Jesus, mesmo sem O vermos ainda face a face, isto é, vendo-o somente com os olhos da fé, e mesmo por entre as sombras e os perigos desta vida. é para nós fonte de uma imensa alegria, por si só, pelo simples facto de O conhecermos, mas também, como diz S. Pedro, porque n'Ele encontramos o sentido e a salvação da nossa vida. Em Jesus somos amados, perdoados e salvos.

Por isso, diante de Jesus também nós nos prostramos e repetimos como S. Tomé: "«Meu Senhor e meu Deus»". S. João Paulo II, na sua primeira encíclica, exprimiu o que todos sentimos e vivemos: "Para Ele queremos olhar, porque só n'Ele, Filho de Deus, está a salvação".

Uma outra mensagem vem do Evangelho, das próprias palavras de Jesus, que disse aos seus discípulos, logo depois de os saudar: "«Assim como o Pai me enviou, também Eu vos envio a vós»". E esta missão é também para nós. A quem nos envia Jesus?

3. A todos os homens. Somos enviados a todos, mas em particular a esta pessoa concreta e àquela, a este que não é baptizado, àquele que não se confessa há muitos anos, a este que tem muitas perguntas, àquele que mostra vontade de conhecer melhor a fé, a este jovem, àquele doente, a este casal, e a tantos outros... Que o Espírito Santo, que também foi dado pelo sopro de Jesus aos apóstolos e que também nós recebemos, nos faça conscientes da nossa missão apostólica e nos ajude a realizá-la com alegria e esperança inabalável.

Com a amizade em Cristo do
O Prior de Santa Maria de Belém
Cón. José Manuel dos Santos Ferreira

Blog  Ad te levavi
Arquivo