24 de Setembro de 2017 - 25º Domingo do Tempo Comum

Os critérios de Deus

1. O que a parábola de hoje nos ensina, é que a economia não é o mais importante. Não é apenas de dinheiro ou de bens que vive o homem. Claro que é importante que a economia funcione, e que os países consigam prosperidade e riqueza, mas, mesmo assim, a economia não é tudo.

Muito mais importante é perceber qual o sentido da vida, e como se deve viver nesta vida, de modo a sermos dignos do dom inestimável que é existir e estar neste mundo criado por Deus.


«Ide vós também para a minha vinha» - gravura do séc. XVII

O dono da vinha pagou a todos por igual. Não foi injusto para com os primeiros, a quem pagou exactamente o que tinha acordado, e foi extremamente generoso com os últimos, com quem não acordou nada, e a quem deu muito mais do que, em bom rigor, poderiam merecer, pelo reduzido tempo que trabalharam. Mas decidiu dar, também a estes, o mesmo que aos outros, e estava no seu pleno direito.

Portanto, deu a todos um denário. Este valor não representa a vida eterna, mas sim os bens deste mundo. Aqui na terra todos devem ter pelo menos o mínimo para viver. O dono da vinha teve o cuidado de que os últimos, os mais pequenos, os que ninguém tinha contratado até à última hora, tivessem pelo menos esse mínimo. E não permitiu que discutissem o seu sentido de justiça. Lá por os seus olhos serem bons, não havia nenhum motivo para os outros serem vesgos.

2. Assim é Deus. Não se rege pela simples justiça. Tem outros critérios. Tal como a economia não é tudo, também a justiça não é tudo. Sem ferir a estrita justiça, pode-se ir mais longe, e exercer a caridade e a misericórdia.

Portanto, não nos devemos contentar com a justiça. A justiça, às vezes, pode ser muito injusta, ou desumana. É preciso muitas vezes saber ir além da justiça, dar aquilo de que o outro necessita, mesmo que, aparentemente, e talvez sem culpa própria, o não mereça. Deus connosco não é apenasjusto. Sem deixar de o ser, Deus quer ser connosco misericordioso, e sê-lo-á sempre, se encontrar em nós aquele mínimo de boas disposições, de arrependimento e de conversão, sem o qual nem a sua misericórdia se poderá exercer.

Assim aconteceu com o próprio S. Mateus, chamado por Jesus quando estava sentado no seu posto de cobrança dos impostos. Certamente já havia nele um mínimo de atracção e fascínio por Jesus, e também uma secreta inquietação pela falta de sentido da vida que levava. Por isso, quando Jesus lhe disse: "Segue­Me", ele "levantou-se e seguiu-o" (Mateus 9,9).

Jesus não chamou os que mereciam, os que eram mais fortes, mas inteligentes, mais capacitados, mas "os que Ele quis", para ficarem com Ele e para os enviar (Marcos 3,13-14).

E assim acontece com os que chama para o sacerdócio ou para a vida religiosa, em que chama alguns em especial, ou para o apostolado, a que todos são chamados.

3. Comentando esta Parábola, o Papa S. João Paulo II escreveu um dia numa Exortação Apostólica sobre a vocação e missão dos leigos: "O convite do Senhor Jesus «Ide vós também para a minha vinha.. continua, desde esse longínquo dia, a fazer-se sentir ao longo da história: dirige-se a todo o homem que vem a este mundo. (...) Ide vós também. A chamada não diz respeito apenas aos Bispos, aos sacerdotes, aos religiosos e religiosas, mas estende-se aos fiéis leigos: também os fiéis leigos são pessoalmente chamados pelo Senhor, de quem recebem uma missão para a Igreja e para o mundo. Lembra-o S. Gregório Magno que, ao pregar ao povo, comentava assim a parábola dos trabalhadores da vinha: «Considerai o vosso modo de viver, caríssimos irmãos, e vede sejá sois trabalhadores do Senhor. Cada qual avalie o que faz e veja se trabalha na vinha do Senhor» (S. Gregório Magno, Hom. in Evang.I, 19) (Christifideles laici, n. 2).

E o Papa Francisco escreveu na Exortação Apostólica Evangelii gaudium: "Ser Igreja significa ser povo de Deus, de acordo com o grande projecto de amor do Pai. Isto implica ser o fermento de Deus no meio da humanidade; quer dizer anunciar e levar a salvação de Deus a este nosso mundo, que muitas vezes se sente perdido, necessitado de ter respostas que encorajem, dêem esperança e novo vigor para o caminho. A Igreja deve ser o lugar da misericórdia gratuita, onde todos possam sentir-se acolhidos, amados, perdoados e animados a viverem segundo a vida boa do Evangelho" (n. 114).

Portanto, retomando o grande Papa s. Gregório I (falecido em 603), "cada qual avalie o que faz e veja se trabalha na vinha do Senhor". Veja se fala de Deus com palavras e com a vida, se anuncia Jesus, perfeito Deus e perfeito homem, se convida os desconfiados a voltar à Igreja, para aqui poderem pedir e receber o perdão de Deus e voltar a receber, em resposta à sua fome e sede de sentido, de verdade e de amor, o Pão da vida.

Com a amizade em Cristo do
O Prior de Santa Maria de Belém
Cón. José Manuel dos Santos Ferreira

Blog  Ad te levavi
Arquivo